Seguidores

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Texto: "A carta" - Luís Fernando Verissimo

A carta

"The letter". Julian Alden.
        Esta outra história é de dois namorados, ele chamado Haroldo e ela, Marta. Os dois brigaram feio, e Marta escreveu uma carta para Haroldo, rompendo definitivamente o namoro e ainda dizendo uma verdade que ele precisava ouvir. Ou, no caso, ler. Mas Marta se arrependeu do que tinha escrito e no dia seguinte fez plantão na calçada em frente do edifício de Haroldo, esperando o carteiro. Precisava interceptar a carta de qualquer jeito. Quando o carteiro apareceu, Marta fingiu que estava chegando ao edifício e perguntou: 
         − Alguma coisa para o 702? Eu levo.
       Mas não tinha nada para o 702. No dia seguinte tinha, mas não a carta de Marta. No terceiro dia, o carteiro desconfiou, hesitou em entregar a correspondência a Marta, que foi obrigada a fazer uma encenação dramática. Não era do 702. Era a autora de uma carta para o 702. E queria a carta de volta. Precisava daquela carta. Era importantíssimo ter aquela carta. Não podia dizer por quê. Afinal, a carta era dela mesma, devia ter o direito de recuperá-la quando quisesse! O carteiro disse que o que ela estava querendo fazer era crime federal, mas mesmo assim olhou os envelopes do 702 para ver se entre eles estava a carta. Não estava. No dia seguinte – quando Marta ficou sabendo que o carteiro se chamava Jessé e, apesar de tão jovem, já era viúvo, além de colorado – também não. No outro dia também não, e o carteiro convidou Marta para, quem sabe, um chope. Na manhã depois do chope, a carta ainda não tinha chegado a Marta e Jessé combinaram ir ver Titanic juntos. No dia seguinte – nem sinal da carta – Jessé perguntou se Marta não queria conhecer sua casa. Era uma casa pobre, morava com a mãe, mas, se ela não se importasse... Marta disse que ia pensar.
        No dia seguinte, chegou à carta. Jessé deu a carta a Marta. Ela ficou olhando o envelope por um longo minuto. Depois a devolveu ao carteiro e disse:
       −  Entrega.
        E, diante do espanto de Jessé, explicou que só queria ver se tinha posto o endereço certo.

(Luis Fernando Verissimo)

www.veredasdalingua.blogspot.com.br

Leia também:

"Eu, etiqueta" — Carlos Drummond deAndrade
"Olhos de ressaca" — Machado de Assis
"Reinauguração" — Carlos Drummond de Andrade
"Rolezinho: breve rolê histórico" — Antonio Prata

Um comentário:

  1. Comecei a ler e pensei. Se fosse hoje. Com a onda dos torpedos, whatsapp... Mandou, chegou. Não dá tempo nem de respirar. Quanto mais de consertar a besteira.rss
    Gostei do fim... A Marta se deu bem!

    ResponderExcluir