Seguidores

domingo, 30 de novembro de 2014

Cláudio Manuel da Costa - Poemas

Cláudio Manuel da Costa - Poemas


Soneto XCVIII

Destes penhascos fez a natureza
O berço, em que nasci: oh! quem cuidara,
Que entre penhas tão duras se criara
Uma alma terna, um peito sem dureza!

Amor, que vence os tigres, por empresa
Tomou logo render-me; ele declara
Contra meu coração guerra tão rara,
Que não me foi bastante a fortaleza.

Por mais que eu mesmo conhecesse o dano,
A que dava ocasião minha brandura,
Nunca pude fugir ao cego engano:

Vós, que ostentais a condição mais dura,
Temei, penhas, temei: que Amor tirano
Onde há mais resistência, mais se apura.

(Cláudio Manuel da Costa)

www.veredasdalingua.blogspot.com.br

Leia também:

Waly Salomão – Poemas
"Café com leite" – Antonio Maria

Nenhum comentário:

Postar um comentário