Seguidores

segunda-feira, 30 de abril de 2012

FATEC 2004 - 1º Semestre - Prova de Língua Portuguesa

FATEC - Prova de Língua Portuguesa - 1º Semestre - 2004


ps. Foi mantida a numeração original da prova.

Leia o texto abaixo, para responder às questões de números 43 a 48.

[...] Ao sair do Tejo, estando a Maria encostada à borda do navio, o Leonardo fingiu que passava distraído por junto dela, e com o ferrado sapatão assentou-lhe uma valente pisadela no pé direito. A Maria, como se já esperasse por aquilo, sorriu-se como envergonhada do gracejo, e deu-lhe também em ar de disfarce um tremendo beliscão nas costas da mão esquerda.
Era isto uma declaração em forma, segundo os usos da terra: levaram o resto do dia de namoro cerrado; ao anoitecer passou-se a mesma cena de pisadela e beliscão, com a diferença de serem desta vez um pouco mais fortes; e no dia seguinte estavam os dois amantes tão extremosos e familiares, que pareciam sê-lo de muitos anos.
Quando saltaram em terra começou a Maria a sentir certos enojos: foram os dois morar juntos; e daí a um mês manifestaram-se claramente os efeitos da pisadela e do beliscão, sete meses depois teve a Maria um filho, formidável menino de quase três palmos de comprido, gordo e vermelho, cabeludo, esperneador e chorão; o qual, logo depois que nasceu, mamou duas horas seguidas sem largar o peito. E este nascimento é certamente de tudo o que temos dito o que mais nos interessa, porque o menino de quem falamos é o herói desta história.
Chegou o dia de batizar-se o rapaz: foi madrinha a parteira; sobre o padrinho houve suas dúvidas: o Leonardo queria que fosse o Sr. Juiz; porém teve de ceder a instâncias da Maria e da comadre, que queriam que fosse o barbeiro de defronte, que afinal foi adotado. Já se sabe que houve nesse dia função: os convidados do dono da casa, que eram todos dalém-mar, cantavam ao desafio, segundo seus costumes; os convidados da comadre, que eram todos da terra, dançavam o fado. O compadre trouxe a rabeca, que é, como se sabe, o instrumento favorito da gente do ofício. A princípio, o Leonardo quis que a festa tivesse ares aristocráticos, e propôs que se dançasse o minuete da corte. Foi aceita a idéia, ainda que houvesse dificuldade em encontrarem-se pares. Afinal levantaram-se uma gorda e baixa matrona, mulher de um convidado; uma companheira desta, cuja figura era a mais completa antítese da sua; um colega do Leonardo, miudinho, pequenino, e com fumaças de gaiato, e o sacristão da Sé, sujeito alto, magro e com pretensões de elegante. O compadre foi quem tocou o minuete na rabeca; e o afilhadinho, deitado no colo da Maria, acompanhava cada arcada com um guincho e um esperneio.
Isto fez com que o compadre perdesse muitas vezes o compasso, e fosse obrigado a recomeçar outras tantas.

(Manuel Antônio de Almeida, Memórias de um sargento de milícias)

Questão 43 - Leonardo fingiu que passava distraído por junto dela.

Assinale a alternativa que apresenta estrutura de orações análoga à do período acima.

a) O Leonardo queria que fosse o Sr. juiz.
b) O compadre trouxe a rebeca, que é o instrumento favorito da gente de ofício.
c) Estavam os dois amantes tão extremosos e familiares, que pareciam sê-lo de muitos anos.
d) Já se sabe que houve nesse dia função.
e) Os convidados do dono da casa, que eram todos dalém-mar, cantavam ao desafio.

Questão 44 - Chegou o dia de batizar-se  o rapaz: foi madrinha a parteira; sobre o padrinho (I) houve suas dúvidas. [...]. Foi aceita a idéia, ainda que (II) houvesse dificuldade em encontrarem-se os pares.

Assinale a alternativa em que a substituição dos verbos em destaque resulta em concordância de acordo com a norma culta.

a) (I) surgiram; (II) surgissem.
b) (I) iam haver; (II) pudesse haver.
c) (I) podia existir; (II) pudesse existir.
d) (I) surgiu; (II) surgisse.
e) (I) existiram; (II) existisse.

Questão 45 - Foi aceita a idéia, ainda que houvesse dificuldade em encontrarem-se pares.

Essa passagem está reescrita, com sentido equivalente ao original, na alternativa:

a) Aceitaram a idéia, à medida que houve dificuldade em encontrarem pares.
b) Aceitou-se a idéia, contanto que houvesse dificuldade em encontrar pares.
c) Aceitou-se a idéia, apesar de haver dificuldade em serem encontrados pares.
d) Aceitou a idéia, portanto houve dificuldade em pares serem encontrados.
e) Aceitou-se a idéia, pois havia dificuldade em pares serem encontrados.

Questão 46 - Afinal levantaram-se  uma gorda e baixa matrona, mulher de um convidado; uma companheira desta, cuja figura era a mais completa antítese da sua [...].

Considerando a informação em destaque nessa passagem, é correto dizer que a companheira era uma mulher

a) magra, de estatura mediana e simpática.
b) esguia, encorpada e jovem.
c) rechonchuda, de meia estatura e de meia idade.
d) magra, alta e solteira.
e) delgada, esguia e casada.

Questão 47 - Assinale a alternativa em que se associam as palavras do trecho e os respectivos campos de significação, postos entre parênteses.

a) Compasso, pares, gaiato (dança).
b) Filho, madrinha e compadre (laços consanguíneos).
c) Amantes, enojo, menino (família).
d) Fado, rabeca, minuete (instrumentos musicais).
e) Batizar, sacristão, Sé (religião).

Questão 48 - Considere as seguintes afirmações.

I. Memórias de um sargento de milícias caracteriza-se como romance urbano, terreno
para o surgimento do romance de matriz política e social.
II. Juntamente com obras como O cortiço,  Triste fim de Policarpo Quaresma e Vidas Secas, o romance de Manuel Antônio de Almeida privilegiou as camadas mais populares da sociedade, retratando a vida de pessoas comuns.
III. Memórias de um sargento de milícias pode ser  considerado um romance precursor do realismo, por dar tratamento mais direto e crítico à realidade.
IV. Pela linguagem sempre elaborada, marcada por construções em que predominam figuras (tais como a antítese e a hipérbole), determina-se a filiação desse romance ao estilo barroco.

Dentre essas afirmações, estão corretas apenas

a) I e III.  b) I e II.  c) II, III e IV. d) I, III e IV. e) I, II e III.

GABARITO

43 – A     44 – E     45 – C     46 – D     47 – E     48 – E 

www.veredasdalingua.blogspot.com.br

Leia também:

Fatec 2017 – 2º Semestre – Prova de Língua Portuguesa
Fatec 2016 – 2º Semestre – Prova de Língua Portuguesa

Imagens

Imagens

“The Flute Player” – Frederick McCubbin
“Spring” – Lawrence Alma-Tadema
“The Kiss” – Francesco Hayez
Camilo Pessanha – Poemas


“Hopes and fears” – Charles West Cope
“Secret Kiss” – Georges Barbier
“Salomé” – Gaston Bussiere
Mário de Sá-Carneiro – Poemas

“Contemplation” – Pino Daeni
“The favourite poem” Lawrence Alma- Tadema
“Gale on the Artic Ocean” – Ivan Constantinovich Aivazovskiy
Cesário Verde – Poemas

“Moment de tendresse” – Claude Theberge
“O teste da rosa” – Otto Lara Resende

“Boy painting a pink heart” – Banksy
“Meu coração” – Caio Fernando Abreu

“La confidence II” – Claude Theberge
“Paganini´s dream” – Edward Okun
“Pietá” – Anibale Carracci
Dante Milano – Poemas

“Still life roses of Vargemont” – Monet
“Cem anos de perdão” – Clarice Lispector

“Prelúcio” – Malagantana Valente
“A sopa” – Pablo Picasso
“Mercado de frutas” – Malagantana Valente
“Mulher com os braços cruzados” – Pablo Picasso

“The smokes of fire” – Edward Okun
“Dispersão” – Mário de Sá-Carneiro

“Paisagem de Santo Amaro” – Anita Malfatti
“O sino de ouro” – Rubem Braga

“Boy Writing” – Benjamin Lacombe
Mia Couto – Poemas


“Four violin´s strings” – Edward Okun
“Do not leave me” – Albena Vatcheva
“Ressurreição” – Rembrandt
“The deposition” – Fra Bartolomeo
João de Deus – Poemas

“Spring” – Edward Okun.
“Amor, o interminável aprendizado” – Affonso Romano de Sant´Anna
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/05/texto-amor-o-interminavel-aprendizado.html

"Quiet moment". Michael e Inês Garmash
Agostinho da Silva, o Poeta-Filósofo
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/04/poema.html

"A writer trimming his pen". Jan Ekels II. 1784.
"Procura da poesia" - Carlos Drummond de Andrade
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/04/procura-da-poesia-carlos-drummond-de.html

"Way to calvary". Juan de Valdes Leal
"Sands of time". Scharjeel Sarfaraz
Bastos Tigre - Poemas
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/04/bastos-tigre-poemas.html

"Lovers in a landscape - The turtle doves" - Nicolas Lancret
"Kids" - Andre Kohn
"Anastasia" - Michael Garmash
Carlos Queirós - Poemas
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/03/carlos-queiros-poemas.html

"Flowers" - Banksy
"O aluno relapso" - Lêdo Ivo
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/03/texto-o-aluno-relapso-ledo-ivo.html

"Absence makes my heart grow fonder". Marcus Stone
"O amor acaba" - Paulo Mendes Campos
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/02/texto-o-amor-acaba-paulo-mendes-campos.html

"Saying goodbye" - Audrey Kawasaki
"Rainy late afternoon" - Frederic Childe Hassam
Ribeiro Couto - Poemas
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/02/ribeiro-couto-poemas.html

"A hopeless dawn"- Frank Bramley
"Eu sei, mas não devia" - Marina Colasanti
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/02/texto-eu-sei-mas-nao-devia-marina.html

"Parade of the Black Sea Fleet" Ivan Constantinovich Aivazovskiy
"Navegar é preciso" - Fernando Pessoa
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/02/navegar-e-preciso-fernando-pessoa.html

"When teacher´s back is turned". Taanmann Jacob
"Reunião de mães" - Fernando Sabino
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/01/texto-reuniao-de-maes-fernando-sabino.html

"A criação de Adão" - Michelangelo
"A boy blowing on an ember to light border". El Greco
"Tender Passion". Vladislav Shugarov
José Régio - Poemas
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/01/jose-regio-poemas.html

"The ages of life" - Georges Lacombe
"O grande clandestino" - Aníbal Machado
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/01/texto-o-grande-clandestino-anibal.html

"A coroação de Inês de Castro" - Lima de Freitas
"Lover´s spat" - Marcus Stone
"Dance me to the end of love" - Jack Vettriano
Virgínia Victorino - Poemas
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/01/virginia-victorino-poemas.html

"The Severe Teacher" - Jan Steen
"Primeiras leituras" - Paulo Mendes Campos
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/01/texto-primeiras-leituras-paulo-mendes.html

"The Swing" - Nicolas Lancret
"O tempo e as jabuticabas" - Rubem Alves
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2013/01/texto-o-tempo-e-as-jabuticabas-rubem.html

“Confession”. Jack Vettriano.
“O amor e outros males” – Rubem Braga
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2012/11/texto-o-amor-e-outros-males-rubem-braga.html

“O Sono” – Salvador Dali
“Silêncio” – Henry Fuseli
Ana Cristina César – Poemas

“Belgian writer Emile Verhaeren” – Théo Van Rysselberghe..
“"Vinte e uma coisas que aprendi como escritor" - Moacyr Scliar

“Amanhecer”.Ranchinho
João Cabral de Melo Neto – poemas

“Keeping out of the cold” – James Hayllar
“A casa viaja no tempo” – Rubem Braga

“O beijo” – Picasso
Affonso Romano de Sant´Anna – Poemas

“Odalisca” – Henry Matisse
Affonso Romano de Sant´Anna – Poemas

“Arrufos” – Belmiro de Almeida
Affonso Romano de Sant´Anna – Poemas

"Pigmalião e Galateia". Jean-Baptiste Regnault. 1786. 
“A ressurreição de Cristo” – Rembrandt
Augusto Frederico Schimdt – Poemas

“O beijo” – Gustav Klimt
Olavo Bilac – Poemas

“Conversation” – Renoir
Carlos Nejar

“Ocean Breeze” – Hanks Steve
Lêdo Ivo

“A Maja vestida” – Francisco Goya
Fagundes Varela

"A carta". Óleo sobre tela. Czachorski Ladilas.
Caio Fernando Abreu – Fragmentos

"Les Demoiselles d´Avignon" - 1907. Pablo Picasso.
Murilo Mendes

“Vovó contando histórias” – Ilustração de Gustavo Doré
António Nobre – Poemas

"Falls of love", Óleo sobre tela. Fattah Hallah Abdel
Ivan Junqueira – Poemas

“Duality”, Arthur Brahinskiy. Óleo sobre tela.
"Você tem que me ler" - Fabrício Carpinejar
http://www.veredasdalingua.blogspot.com.br/2012/05/texto-voce-tem-que-me-ler-fabricio.html

“O viajante sobre o mar de névoas” , 1818, Caspar D. Friedrich.
David Mourão Ferreira – Poemas
http://www.veredasdalingua.blogspot.com.br/2012/04/david-mourao-ferreira-poemas.html

“Noite estrelada” , Van Gogh.
“A aldeia que nunca mais foi a mesma” – Rubem Alves
http://www.veredasdalingua.blogspot.com.br/2012/04/texto-aldeia-que-nunca-mais-foi-mesma.html

“Bailarinas azuis”, 1899, Edgar Degas.
Carlos Pena Filho – O Poeta do Azul
http://www.veredasdalingua.blogspot.com.br/2012/04/carlos-pena-filho-o-poeta-do-azul.html

"Os penhascos de Varengeville - rajada de vento" - Monet.
Mario Quintana – Poemas
http://www.veredasdalingua.blogspot.com.br/2012/04/mario-quintana-poemas.html

"Retrato de uma jovem mulher" (La Fornarina) - Óleo. 1518-1519. Rafael
“Receita padrão de adultério” – Carlos Heitor Cony
http://www.veredasdalingua.blogspot.com.br/2012/04/texto-receita-padrao-de-adulterio.html

“Duas mulheres e duas crianças”, Portinari.
Gomes Leal – Poeta de três faces
http://www.veredasdalingua.blogspot.com.br/2012/03/gomes-leal-poeta-de-tres-faces.html

"Angelica”, Pino Daeni.
Maciel Monteiro – Poemas
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2012/03/maciel-monteiro-poemas.html

“Estudo de paisagem marinha com barco e céu de tempestade”, John Constable.
“The Absinthe Drinker” – Manet.
“Little boy writing a letter” – Norman Rockwell
Paulo Bomfim – Poemas
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2012/02/paulo-bonfim-poemas.html

"Narciso", Caravaggio, oléo sobre tela.
Manuel António Pina – Poemas
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2012/01/manuel-antonio-pina-poemas.html

"Ismália", ilustração de Odilon Moraes
Alphonsus de Guimarães – O Solitário de Mariana
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2011/12/alphonsus-de-guimaraens-o-solitario-de.html

“Ensaio de balé” – Edgar Degas
António Gedeão – Poemas
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2011/12/antonio-gedeao-poemas.html

“Les Amores de Normandie” Claude Theberge
“Two Men” – Caspar D. Friedrich
Miguel Torga

“Sísifo” – Tiziano
“Time reveals the Truth” – Theodor Van Thulden
“At the Balcony” – Pino Daeni
Miguel Torga

"Fiery dance" - Andrew Atrochenko
Sophia de Mello Breyner Andresen

"Na cama – Um beijo", Toulouse-Lautrec
Florbela Espanca – Sonetos
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2011/11/florbela-espanca-sonetos.html

"The Cheval Glass", de Berthe M. Pauline Morisot
Machado de Assis – Poemas
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2011/09/machado-de-assis-poemas.html

"Belle à la plage". Michael Garmash
Eugénio de Andrade – Poemas
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2011/08/eugenio-de-andrade-poemas.html

“Navio negreiro”, Rugendas.
Castro Alves – O Poeta dos Escravos
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2011/07/castro-alves-o-poeta-dos-escravos.html

"Alice no País das Maravilhas", Arthur Rackham
“Para Maria da Graça” – Paulo Mendes Campos
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2011/07/texto-para-maria-da-graca-paulo-mendes.html

“Fanciful dreams” – Pino Daeni
“Rare beauty” – Michael Garmash
“Welcome footsteps” – Lawrence Alma Tadema
J.G. de Araújo Jorge – Poemas
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/search/label/J.%20G.%20de%20Ara%C3%BAjo%20Jorge

"Blue Note". Anna Razumovskaya
Cecília Meireles - Poemas
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2011/05/cecilia-meireles-poemas.html 

terça-feira, 24 de abril de 2012

David Mourão-Ferreira - Poemas

David Mourão-Ferreira - Poemas

"O viajante sobre o mar de névoas", 1818, Caspar D. Friedrich

E por vezes

E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos E por vezes

encontramos de nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes

ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos

E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num segundo se evolam tantos anos

(David Mourão-Ferreira)


Tentei fugir da mancha mais escura

Tentei fugir da mancha mais escura
que existe no teu corpo, e desisti.
Era pior que a morte o que antevi:
era a dor de ficar sem sepultura.

Bebi entre os teus flancos a loucura
de não poder viver longe de ti:
és a sombra da casa onde nasci,
és a noite que à noite me procura.

Só por dentro de ti há corredores
e em quartos interiores o cheiro a fruta
que veste de frescura a escuridão...

Só por dentro de ti rebentam flores.
Só por dentro de ti a noite escuta
o que me sai, sem voz, do coração.

(David Mourão-Ferreira)

Ilha

Deitada és uma ilha E raramente
Surgem ilhas no mar tão alongadas
Com tão prometedoras enseadas
Um só bosque no meio florescente

Promontórios a pique e de repente
Na luz de duas gêmeas madrugadas,
O fulgor das colinas acordadas,
O pasmo da planície adolescente.

Deitada és uma ilha que percorro,
Descobrindo-lhe as zonas mais sombrias
Mas nem sabes se grito por socorro

Ou se te mostro só que me inebrias.
Amiga amor amante amada eu morro
Da vida que me dás todos os dias

(David Mourão-Ferreira)

Crepúsculo

É quando um espelho, no quarto,
se enfastia;
Quando a noite se destaca
da cortina;
Quando a carne tem o travo
da saliva,
e a saliva sabe a carne
dissolvida;
Quando a força de vontade
ressuscita;
Quando o pé sobre o sapato
se equilibra...
E quando às sete da tarde
morre o dia
- que dentro de nossas almas
se ilumina,
com luz lívida, a palavra
despedida.

(David Mourão-Ferreira)

Paraíso

Deixa ficar comigo a madrugada,
para que a luz do Sol me não constranja.
Numa taça de sombra estilhaçada,
deita sumo de lua e de laranja.

Arranja uma pianola, um disco, um posto,
onde eu ouça o estertor de uma gaivota...
Crepite, em derredor, o mar de Agosto...
E o outro cheiro, o teu, à minha volta!

Depois, podes partir. Só te aconselho
que acendas, para tudo ser perfeito,
à cabeceira a luz do teu joelho,
entre os lençóis o lume do teu peito...

Podes partir. De nada mais preciso
para a minha ilusão do Paraíso.

(David Mourão-Ferreira, in "Infinito Pessoal")

Ternura

Desvio dos teus ombros o lençol
que é feito de ternura amarrotada,
da frescura que vem depois do Sol,
quando depois do Sol não vem mais nada...

Olho a roupa no chão: que tempestade!
há restos de ternura pelo meio,
como vultos perdidos na cidade
em que uma tempestade sobreveio...

Começas a vestir-te, lentamente,
e é ternura também que vou vestindo,
para enfrentar lá fora aquela gente
que da nossa ternura anda sorrindo...

Mas ninguém sonha a pressa com que nós
a despimos assim que estamos sós!

(David Mourão-Ferreira)



Leia também:

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Texto - "A aldeia que nunca mais foi a mesma" - Rubem Alves

A aldeia que nunca mais foi a mesma

     Era uma aldeia de pescadores de onde a alegria fugira, e os dias e as noites se sucediam numa monotonia sem fim, das mesmas coisas que aconteciam, das mesmas  coisas que se diziam, dos mesmos gestos que se faziam, e os olhares eram tristes, baços  peixes que já nada procuravam, por saberem inútil procurar qualquer coisa, os rostos vazios de sorrisos e de surpresas, a morte prematura morando no enfado, só as  intermináveis rotinas do dia a dia, prisão daqueles que se haviam condenado a si mesmos, sem esperanças, nenhuma outra praia pra onde navegar...
"Noite estrelada", Van Gogh.
     Até que o mar, quebrando um mundo, anunciou de longe que trazia nas suas ondas coisa nova, desconhecida, forma disforme que flutuava, e todos vieram à praia, na espera... E ali ficaram, até que o mar, sem se apressar, trouxe a coisa e a depositou na praia, surpresa triste, um homem morto...
     E o que é que se pode fazer com um morto, se não enterrá-lo? Tomaram-no então para os preparativos de funeral, que naquela aldeia ficavam a cargo das mulheres; às vezes é mais grato preparar os mortos para a sepultura que acompanhar os vivos na morte em que se perderam ao viver. Foi levado para uma casa, os homens de fora, olhando...

     No corpo morto as algas, os líquens, as coisas verdes do mar, testemunhas de funduras e distâncias, mistérios escondidos para sempre no silêncio de sua boca sem palavras...
      As mãos começaram o trabalho, e nada se dizia, só os rostos tristes... Até que uma delas, um leve tremor no canto dos lábios, balbuciou:
     – “É, se tivesse vivido entre nós teria de se ter curvado sempre para entrar em nossas casas. É muito alto...”
     E todas assentiram com o silêncio.
     – “Fico a pensar em como teria sido a sua voz”, disse uma outra. “Teria sido como o quebrar das ondas? Como a brisa nas folhas? Será que ele conhecia a magia das palavras que, uma vez ditas, fazem uma mulher colher uma flor e a colocar nos cabelos?”
     As outras sorriram, surpresas de memórias que começavam a surgir de profundezas, como bolhas que sobem de espaços submarinos, desejos há muito esquecidos.
     Foi então que uma outra, olhando aquelas mãos enormes, inertes, disse as saudades que arrepiavam a sua pele:
    – “Estas mãos... que terão feito? Terão tomado no seu vazio um rosto de mulher? Terão sido ternas? Terão sabido amar?”
   E elas sentiram que coisas belas e sorridentes, há muito esquecidas, passadas por mortas, nas suas funduras, saíam do ouvido e vinham, mansas, se dizer no silêncio do morto. A vida renascia na morte graciosa de um morto desconhecido e que, por isto mesmo, por ser desconhecido, deixava que pusessem no seu colo os desejos que a morte em vida proibira...
    E os homens, do lado de fora, perceberam que algo estranho acontecia: os rostos das mulheres, maçãs em fogo, os olhos brilhantes, os lábios úmidos, o sorriso selvagem, e compreenderam o milagre: vida que voltava, ressurreição de mortos... E tiveram ciúmes do afogado... Olharam para si mesmos, se acharam pequenos e domesticados, e perguntaram se aquele homem teria feito gestos nobres (que eles não mais faziam) e pensaram que ele teria travado batalhas bonitas (onde a sua coragem?), e o viram brincando com crianças (mas lhes faltava a leveza...), e o invejaram amando como nenhum outro (mas onde se escondera o seu próprio amor?)...
     Termina a estória dizendo que eles, finalmente, o enterraram.
     Mas a aldeia nunca mais foi a mesma...
    Não, não é à toa que conto esta estória. Foi quando soube da morte – ela cresceu dentro de mim. Claro que eu já suspeitava: os cavalos de guerra odeiam crianças; e o bronze das armas odeia canções, especialmente quando falam das flores, e não se ouve o ruflar lúgubre dos tambores da morte. Foi naquele dia, fim de abril, o mês do céu azul e do vento manso. Eu sabia da morte, mas havia em mim um riso teimoso, mais forte que o carrasco, esperança, visão de coisas que eu não sabia vivas. Foi então que me lembrei da história. Não, foi ela que se lembrou de mim, e  veio para dar nome aos meus sentimentos e se contou de novo. Só que agora os rostos anônimos viraram rostos que eu vira, caminhando e cantando, seguindo a canção, risos que corriam para ver a banda passar contando coisas de amor, os rojões, as buzinas, as panelas, sinfonia que se tocava sobre a desculpa de um morto...
     Mas não era isto, não era o morto: era o desejo que jorrava, vida, mar que saía de funduras reprimidas e se espraiava como onda, espumas e conchinhas, mansa e brincalhona...
     Ah! O povo se descobrira, tão bonito como nunca suspeitara...
     Não era raiva.
     Não era azia.
     Nem mesmo fome ou desemprego.
     O bonito foi isto mesmo: que de tantos golpes, de tanta dor, tenham surgido canções, tenha brotado uma flor.
     Lembra-se? Aconteceu na estação da Páscoa...
     A Vida ressurge da Morte.
     Três dias, vinte anos, um século... Não importa...
    Por favor: conte para alguém a estória da aldeia que, depois de enterrar um morto, nunca mais foi a mesma.. Nós...


P.S.: Quase me esqueci de dizer. A estória é de Gabriel Garcia Marquez. Eu só a recontei do meu jeito...

(Rubem Alves, crônica para o jornal “Folha de São Paulo”, em 19/05/1984)


Leia também:

domingo, 15 de abril de 2012

CPTM - Concurso público - cargo: Agente Operacional - 2005

CPTM - Concurso público - cargo: Agente Operacional - 2005

Prova de Língua Portuguesa

Mendigo

Eu estava diante duma banca de jornais na avenida, quando a mão de um mendigo se estendeu. Dei-lhe uma nota tão suja e tão amassada quanto ele. Guardou-a no bolso, agradeceu com um seco obrigado e começou a ler as manchetes dos vespertinos. Depois me disse:
- Não acredito um pingo em jornalistas. São muito mentirosos. Mas tá certo: mentem para ganhar a vida. O importante é o homem ganhar a vida, o resto é besteira.
Calou-se e continuou a ler as notícias eleitorais:
O Brasil ainda não teve um governo que prestasse. Nem rei, nem presidente. Tudo uma cambada só.
Reconheceu algumas qualidades nessa ou naquela figura (aliás, com invulgar pertinência para um mendigo), mas isso, a seu ver, não queria dizer nada:
- O problema é o fundo da coisa: o caso é que o homem não presta. Ora, se o homem não presta, todos os futuros presidentes também serão ruínas. A natureza humana é que é de barro ordinário. Meu pai, por exemplo, foi um homem bastante bom. Mas não deu certo ser bom durante muito tempo: então ele virou ruim.
Suspeitando de que eu não estivesse da __________ sua teoria, passou a demonstrar para mim que também ele era um  __________ ordinário como os outros:
- O senhor não vê? Estou aqui pedindo esmola, quando poderia estar trabalhando. Eu não tenho defeito __________  nenhum e até que não posso me queixar da saúde.
Tirei do bolso uma nota de cinqüenta e lhe ofereci pela sua franqueza.
- Muito obrigado, moço, mas não vá pensar que eu vou tirar o senhor da minha teoria. Vai me desculpar, mas o senhor também no fundo é igualzinho aos outros. Aliás, quer saber de uma coisa?
Houve um homem de fato bom, cem por cento bom. Chamava-se Jesus Cristo. Mas o senhor viu o que fizeram com ele?!

(CAMPOS, Paulo Mendes. Mendigo. In: Para gostar de ler. Vol. 2. Crônicas. São Paulo: Ática: 1978.)

1. Assinale a afirmativa que completa corretamente as lacunas do texto.

a) convensido – sujeito – fízico
b) convencido – sujeito – físico
c) convensido – sugeito – físico
d) convencido – sugeito – fízico
e) convensido – sujeito – físico

2. Em “Tirei do bolso uma nota de cinquenta e lhe ofereci pela sua franqueza.”, a palavra em destaque pode ser substituída, sem prejuízo do sentido da frase, por

a) astúcia.
b) generosidade.
c) sinceridade.
d) propriedade.
e) dissimulação.

3. O mendigo disse ao homem que lhe dera uma esmola que não acreditava em jornalistas, pois

a) percebeu que o homem era um deles.
b) estava completamente bêbado.
c) achou-o parecido com o pai.
d) era deficiente físico.
e) havia lido as manchetes dos vespertinos.

4. Para o mendigo, o Brasil não teve, nem teria, governo que prestasse pois

a) assim como seu pai, todo homem bom, por um tempo, vira ruim.
b) a natureza humana não convence ninguém.
c) fariam com ele o que fizeram com Jesus Cristo.
d) o ser humano não presta.
e) todos mentem para ganhar a vida.

5. Após a leitura do texto, pode-se concluir que

a) o autor ficou surpreso com a perspicácia do mendigo.
b) o mendigo era uma pessoa afável.
c) o mendigo não acreditava na bondade do pai,
d) o autor ficou ofendido porque o mendigo o comparou aos homens feitos “de barro ordinário”.
e) o mendigo usou a expressão “cambada” como sinônimo de humanidade.

6. Sobre as formas verbais do texto, são feitas as seguintes afirmações:

1. Na primeira frase os verbos estão empregados, respectivamente, no Pretérito Perfeito e no Pretérito Imperfeito do Indicativo.
2. Em “...não vá pensar...”, o verbo está no Modo Imperativo Negativo.
3. Os verbos disse, prestasse e estivesse estão no Pretérito Imperfeito do Subjuntivo.

Qual(is) está(ão) correta(s)?

a) Apenas a 1.
b) Apenas a 2.
c) Apenas 1 e 3.
d) Apenas 1 e 2.
e) 1, 2 e 3.

7. Assim como palavra manchete é grafada com ch, também o deve ser

a) en__oval
b) en__ame
c) en__erto
d) en__ada
e) en__ente

8. Assinale a alternativa que completa corretamente as lacunas da oração abaixo.

“Aquele jogador é um ______ perdedor, mas, ______ disso, seu time saiu ______ .

a) mau – apesar – campeão
b) mal – a pesar – campião
c) mau – apezar – campião
d) mal – a pezar – campeão
e) mal – apesar – campeão

9. Abaixo, há uma ou mais palavras incorretamente grafadas, exceto na alternativa

a) paralisado – cervejinha – expectro
b) campanhia – papelzinho – suavidade
c) pretensioso – chinesinha – estupro
d) admissão – incensível – esperteza
e) descanço – excessão – assessórios

10. A alternativa que contém uma palavra com erro de grafia é

a) depredar – através – esplendor
b) heureca – analizar – expectador
c) acensorista – mixto – impecilho
d) exêntricos – anjelical – hortência
e) gorjeta – ginete – catequese

11. Observando a correlação temporal, assinale a alternativa que completa corretamente a frase

“Era provável que eles _______ hoje.”

a) virão
b) saíam
c) saíram
d) chegam
e) viessem

12. Assinale a alternativa que completa corretamente a seguinte frase.

“Quando _______  mais aperfeiçoados, os aviões, certamente, _______ maior conforto e segurança em qualquer viagem.”

a) estivessem – proporcionariam
b) estiverem – proporcionarão
c) estejam – proporcionam
d) estão – proporcionariam
e) estivessem – proporcionarem

13. Assinale a alternativa que completa, corretamente, as lacunas da frase abaixo.

“_______ a vida com as verdades que tu tens e serás feliz.”

a) Constróis
b) Constrói
c) Construí
d) Construa
e) Construas

14. Transpondo para a voz passiva a frase “Eu estava revendo, naquele momento, velhas fotos da minha infância.”, a forma verbal correta deverá ser

a) estava sendo revisto
b) comecei a rever
c) seriam revistos
d) estavam sendo revistas
e) ia revendo

15. A alternativa em que todas as palavras estão corretamente acentuadas é:

a) inglês – cafézinho – útil – Sergípe – canôa
b) saúde – geléia – Tatuí – armazém – caráter
c) Itú – advérbio – amendoím – fluído – heroísmo
d) órgão – bambú – útil – sofá – Tietê
e) Alagôas – gratuíto – melancía – estrêla – cipó

16. A alternativa cuja palavra, quando colocada no plural perde o acento gráfico, é

a) álbum.
b) bebê.
c) revólver.
d) útil.
e) número.

17. Com relação à concordância verbal, assinale a alternativa incorreta.

a) A felicidade, você e eu caminharemos juntos.
b) As paredes pareciam tremer.
c) Desconfiavam-se de algumas pessoas.
d) O treinador foi um dos que não faltou.
e) Mais de um atleta desistiu da prova.

18. Assinale a alternativa com concordância nominal incorreta.

a) Ela sempre pareceu meia assustada.
b) Elas mesmas assim o queriam.
c) A árvore de cujas folhas e frutos lhe falei, é essa.
d) Envio-lhe anexa a certidão de casamento.
e) Estava com bolsos e mãos cheias de pedras.

19. Assinale a alternativa que completa, corretamente, a lacuna da frase abaixo.

“_______ três meses que ele não aparecia por aqui.”

a) Faziam
b) Fizeram
c) Fazia
d) Fariam
e) Fizessem

20. Assinale a frase correta.

a) Por que você preferiu vir aqui do que me esperar?
b) Porque você preferiu vir aqui que me esperar?
c) Porque você preferiu mais vir aqui antes do que me procurar?
d) Por que você preferiu vir aqui a me esperar?
e) Por que você preferiu mais vir aqui a que me esperar?

21. “Oitenta por cento dos acidentes de trânsito são devidos  ____ falhas humanas, quinze por cento  ____  deficiências de estradas e apenas cinco por cento   ____ defeitos dos veículos.”

A alternativa que completa corretamente a frase acima, é

a) há – à – a
b) à – à – à
c) a – à – a
d) a – a – a
e) à – há – há

22. Considere as frases seguintes.

1. Chegamos cedo na reunião.
2. Tua atitude implicará em contrariedades futuras.
3. Pretendo assistir à inauguração da nova sede.

Está(ão) correta(s)

a) apenas a 1.
b) apenas a 2.
c) apenas a 3.
d) apenas a 1 e a 2.
e) 1, 2 e 3.

23. Assinale a alternativa corretamente pontuada.

a) O Ministro do Planejamento, fará uma visita, às nossas dependências.
b) Comunicamos, a todos os funcionários, que os testes, foram adiados.
c) Os legítimos meios de adquirir patrimônio são três: trabalho, ordem e economia.
d) O próximo ônibus sairá amanhã aliás, depois de amanhã.
e) Gostaria de dizer-lhes meus amigos, que nada fiz, para merecer isso.

24. Assinale a alternativa que apresenta o plural correto.

a) sultão – sultães
b) balcão – balcães
c) cirurgião – cirurgiãos
d) corrimão – corrimões
e) cidadão – cidadões

25. Em “Se eu recuperar todo o dinheiro roubado, tentarei concluir o projeto.”, se passarmos para o plural a palavra destacada, quantas outras alterações se farão necessárias?

a) Uma.
b) Duas.
c) Três.
d) Quatro.
e) Cinco.

1 – B
2 – C
3 – E
4 –D
5 – A
6 – B
7 – E
8 – A
9 – C
10 – B
11 – E
12 – B
13 – B
14 – D
15 – B
16 – N
17 – N
18 – A
19 – C
20 – D
21 – D
22 – C
23 – C
24 – N
25 – B



ps. Foram anuladas as questões números 16, 17 e 24.


PREPARE-SE PARA OS PRINCIPAIS VESTIBULARES DO PAÍS. ADQUIRA AGORA MESMO O PROGRAMA 500 TEMAS DE REDAÇÃO!

https://www.facebook.com/Veredas-da-L%C3%ADngua-229251657086673/

Leia também: