Seguidores

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

TEMA DE REDAÇÃO – PUC-CAMPINAS – 2016

TEMA DE REDAÇÃO – PUC-CAMPINAS – 2016

INSTRUÇÕES GERAIS

I. Dos cuidados gerais a serem tomados pelos candidatos:

1. Leia atentamente as propostas, escolhendo uma das três para sua prova de Redação.
2. Escreva, na primeira linha do formulário de redação, o número da proposta escolhida e dê um título ao texto.
3. Redija seu texto a tinta (em preto).
4. Apresente o texto redigido com letra legível (cursiva ou de forma), em padrão estético conveniente (margens, paragrafação etc.).
5. Não coloque o seu nome na folha de redação.
6. Tenha como padrão básico o mínimo de 30 (trinta) linhas.

II. Da elaboração da redação:

1. Atenda, com cuidado, em todos os seus aspectos, à proposta escolhida. Às redações que não atenderem à proposta (adequação ao tema e ao gênero de texto) será atribuída nota zero.
2. Empregue nível de linguagem apropriado à sua escolha.
3. Estruture seu texto utilizando recursos gramaticais e vocabulário adequados. Lembre-se de que o uso correto de pronomes e de conjunções mantém a coesão textual.
4. Seja claro e coerente na exposição de suas ideias.

PROPOSTA I – DISSERTAÇÃO

            Leia o editorial abaixo procurando apreender o tema nele desenvolvido. Em seguida, elabore uma dissertação, na qual você exporá, de modo claro e coerente, suas ideias acerca desse tema.

Após quase 14 anos de vigência da Lei Patriótica, aprovada na esteira dos atentados de 11 de setembro de 2001, o Congresso dos Estados Unidos decidiu restringir os poderes do governo norte-americano para vigiar seus cidadãos.
Por 67 votos contra 32, o Senado chancelou a Lei da Liberdade, que, embora estenda até 2019 a licença investigatória das autoridades que havia expirado no início desta semana, restaura algo do direito à privacidade que ficara prejudicado pela Lei Patriótica.
A principal mudança diz respeito ao sigilo telefônico e vale apenas em território norte-americano. As agências de segurança dos Estados Unidos não poderão mais coletar em massa os dados das conversações telefônicas, como vinham fazendo até aqui.
Após prazo de seis meses para adaptação, essas informações serão guardadas pelas próprias companhias telefônicas, e os serviços de segurança só poderão acessá-las com autorização judicial, como é típico das democracias.
Os espiões, contudo, ainda conservam amplos poderes para monitorar e-mails e outras comunicações digitais e têm carta branca para atuar no exterior, já que as proteções da Constituição dos EUA não se aplicam a estrangeiros fora do território americano.
Ainda que as mudanças sejam bastante limitadas, é inegável que representam avanço institucional importante. A democracia, afinal, dá provas de que é capaz de corrigir seus próprios excessos.
Vale notar que a Lei da Liberdade foi aprovada devido a um esforço suprapartidário que não ocorria nos EUA havia tempos. A ala mais liberal do Partido Republicano se aliou aos democratas para abonar a lei, imediatamente sancionada pelo presidente Barack Obama.
Verdade que a transformação não veio do nada. Só foi possível porque tribunais norte-americanos haviam limitado alguns dos abusos mais gritantes e porque informantes como Edward Snowden revelaram à população a real dimensão da espionagem.
Mas, de novo, um Poder Judiciário robusto e uma imprensa livre são sinais de vigor democrático.
Quanto à vigilância em massa, o mais provável é que tanto seus defensores como seus críticos mais engajados estejam errados. Nesses 14 anos, estudos indicaram que os espiões não usaram as informações obtidas para ganho pessoal ou político, mas também que a prática teve relevância duvidosa para evitar ataques terroristas.
Trata-se de bom motivo para balancear as regras em favor do direito à privacidade.

(Folha de S. Paulo, 4 de junho de 2015)

PROPOSTA II - DISSERTAÇAO

Atente para os seguintes textos:

I. O transporte é um dos problemas cruciais de nossas grandes cidades, dado que o ritmo das obras necessárias à circulação dos automóveis não acompanha o da indústria automobilística. Os congestionamentos apenas cessarão quando a engenharia acelerar o ritmo de suas obras para prover a cidade dos equipamentos necessários.
II. Nos grandes centros urbanos, o planejamento dos transportes precisa ser revisto a partir da mudança de visões já viciadas. Há alternativas que não dependerão de grandes obras, desde que se abandone a ideia de que não está no automóvel o futuro desse desafio moderno designado pela expressão mobilidade urbana.

Compare essas duas visões divergentes e redija uma dissertação em prosa, na qual você discutirá os argumentos levantados nos dois textos e exporá sua análise pessoal da questão de que tratam.

PROPOSTA III - NARRAÇÃO

Imagine que no colégio em que você estudou existia um aluno que chamava a atenção por um típico comportamento – brincalhão, provocador, ou qualquer outro traço característico −, que acarretava uma também típica reação dos demais colegas. Suponha que um acontecimento inesperado tenha produzido uma reviravolta no modo como esse aluno era visto por todos.

Escreva uma redação em que você relate esse episódio e justifique sua consequência. Seja criativo ao caracterizar o modo de ser desse jovem e o comportamento dos colegas, antes e depois do acontecimento.


Nenhum comentário:

Postar um comentário