Seguidores

domingo, 31 de agosto de 2014

UFG - 2011 - 1º Semestre - 1º Fase - Prova de Língua Portuguesa

UFG - 2011 - 1º Semestre - 1º Fase - Prova de Língua Portuguesa

LÍNGUA PORTUGUESA

Leia os Textos 1 e 2 para responder às questões de 01 a 04.

Texto 1

o livro como fresta

é certo
que um livro
quando se deságua
a tinta negra de suas páginas
além de suas quatro margens
um rio que escorre letras
metáforas que rompem diques
pelo postigo
de quem escreve
tudo – olhos, sóis, lentes –
na vigília, nas insônias
: o universo às escâncaras
além, nos telescópios
tudo o que a vista desalcança
– os minimundos vazios –
diante de uma veneziana
entreaberta

PEREIRA, Luís Araujo. Minigrafias. Goiânia: Cânone, 2009. p. 19.

Texto 2

Livros de biblioteca instalada em favela inspiram músicas

            Anderson Aparecido Bandeira da Silva, 16, ficou conhecido no Jardim Panorama, favela da zona oeste de São Paulo bem ao lado do shopping Cidade Jardim, por seus raps, que tratavam, quase sempre, da violência.
            A fonte de inspiração do garoto apelidado MC Guri, no entanto, mudou completamente há cerca de um ano, quando ele passou a frequentar a biblioteca comunitária da região onde mora.
            A partir da leitura de um livro cujo tema central é a lembrança – ironia: ele não se lembra do nome do livro –, fez uma música para três pessoas queridas que perdeu.
            Em casa, MC Guri não tem nenhum livro de leitura, “só os que uso para a escola”. Mas sua presença na biblioteca comunitária é assídua. Tudo para manter fresco o novo repertório que apresenta em shows feitos em comunidades pobres da região.
            Os versos de MC Guri, que está no 9o ano do ensino fundamental, passaram de “E olha o Panô aí de novo / botando a chapa quente” para “A favela não é a mesma / se liga no meu papo / porque se foram embora / Paulinho, Kevin e Renato” – estes últimos versos são da primeira música sob a influência dos livros, em homenagem a três vizinhos que morreram, um deles por culpa da dengue.
            Os quadrinhos foram a porta de entrada de MC Guri para a literatura. Depois, vieram os livros de aventura. Hoje, ele lê até poesias.
            Além da mudança de tom das letras, houve ainda uma mudança no ritmo. MC Guri trocou a batida do rap pela do funk, para combinar mais com a sua nova fase.

REWALD, Fabiana. Livros de biblioteca instalada em favela inspiram músicas. Folha de S. Paulo, S. Paulo, 13 set. 2010. p. C5. Cotidiano.

QUESTÃO 01

Os Textos 1 e 2 aproximam-se quanto à temática abordada. A esse respeito, ambos evidenciam que a leitura é

(A) uma habilidade que exige formação técnica apurada, adquirida nos estabelecimentos escolares.
(B) um processo de transformação pessoal, que demanda acesso ao conhecimento e às sensações.
(C) um recurso para se conseguir ascensão na pirâmide social.
(D) uma atividade de decodificação de elementos linguísticos que representam a realidade.
(E) uma prática característica das elites intelectuais, estabelecedoras de padrões de comportamento.

QUESTÃO 02

No Texto 1, os versos um rio que escorre letras / metáforas que rompem diques remetem às consequências da leitura de um livro. Qual fato da vida de MC Guri (Texto 2) associa-se a esses versos?

(A) Criação de seu novo repertório musical.
(B) Frequência assídua à biblioteca.
(C) Autoria de raps com temas sobre a violência.
(D) Consulta aos livros escolares.
(E) Saída do Jardim Panorama.

QUESTÃO 03

No terceiro parágrafo do Texto 2, há uma alteração na sequência discursiva. Essa alteração e o modo como ela se realiza são, respectivamente,

(A) digressão – suspensão da narrativa.
(B) fluxo de consciência – retomada dos fatos relatados em primeira pessoa.
(C) preterição – negação explícita do tema central das músicas.
(D) descrição – exposição minuciosa da cena retratada.
(E) flashback – interrupção do tempo presente com retorno ao passado.

QUESTÃO 04

O Texto 2 apresenta uma especifidade na construção das vozes enunciativas. O jogo interlocutivo é estabelecido com base na

(A) seleção de citações literárias que expressam voz de autoridade.
(B) articulação dos enunciados por meio do estabelecimento de relações intertextuais.
(C) utilização de mecanismos discursivos que exploram a oposição sonho e realidade.
(D) instauração de um interlocutor geral e de um interlocutor particular.
(E) constituição de um leitor onisciente, capaz de prever os eventos relativos à realidade descrita.

Leia o Texto 3 a seguir para responder às questões de 05 a 07.

Texto 3

Ele também engorda as crianças

            Criança reage ao estresse de modo parecido ao dos adultos. A pesquisadora Elizabeth Susman, da Universidade Penn State (EUA), comprovou a ligação entre o excesso de cortisol e de peso, notadamente nas garotas. Ela avaliou 111 meninos e meninas com idades entre 8 e 13 anos à procura de sintomas de depressão e mediu os níveis do hormônio em amostras de saliva após atividades estressantes, como fazer contas mentais. “Houve grande aumento de cortisol em todos, porém nas meninas isso pareceu diretamente associado ao ganho de peso”, […]. Uma das hipóteses é a interação entre as mudanças bioquímicas patrocinadas pelo estresse sobre o hormônio feminino estrogênio.
            O pesquisador Steve Garasky, da Universidade de Iowa (EUA), observou que o casamento entre a obesidade e o estresse começa cedo. Ele analisou crianças de 7 anos até jovens de 15 e verificou que, entre aqueles que sofriam algum tipo de estresse, 56% tinham sobrepeso ou estavam obesos. Garasky constatou que o ambiente e o humor materno têm papel importante. “Quando a mãe é estressada e as crianças vivem em uma casa com comida adequada – e talvez isso seja a comida do conforto, como doces e chocolates – é possível que comam mais”, diz o cientista. Além de depressão, problemas socioeconômicos e falta de orientação para o futuro, estudos mostram que a falta de atenção dos pais em relação aos problemas dos filhos é outro fator que estressa as crianças.

PEREIRA, Cilene; TARANTINO, Mônica. Ele também engorda as crianças. ISTOÉ, São Paulo: Editora Três, n. 2127, ago. 2010, p. 94. [Adaptado]

QUESTÃO 05

O título do Texto 3 é aparentemente incoerente. Durante a leitura, essa aparência é desfeita pelo estabelecimento da referência textual, que ocorre pela

(A) experiência prévia do leitor com o tema.
(B) introdução do referente no corpo do texto.
(C) subversão do significado referencial da palavra engorda.
(D) conclusão decorrente de inferências permitidas pelo texto.
(E) recuperação de um referente impessoal pelo pronome ele.

QUESTÃO 06

No Texto 3, o termo casamento (2o parágrafo) é empregado em sentido metafórico. Que traço do sentido denotativo permanece no sentido figurado?

(A) Acordo
(B) Afinidade
(C) Condição
(D) Dependência
(E) Relação

QUESTÃO 07

O Texto 3 pertence ao gênero divulgação científica. No desenvolvimento da temática, as autoras constroem uma linha argumentativa baseada na

(A) negação da tese de que a comida pode funcionar como recompensa à exposição ao estresse.
(B) noção de quantidade indeterminada de hormônios nos diferentes sexos.
(C) ideia de causa e consequência entre o estresse e o cortisol.
(D) refutação de hipóteses favoráveis à tese de que o estrogênio aumenta o cortisol.
(E) conclusão de que crianças reagem ao estresse diferentemente dos adultos.

Leia os Textos 4 e 5 para responder às questões de 08 a 10.

Texto 4
Disponível em: <http://www.integral.br/zoom>. Acesso em: 18 set. 2010.

Texto 5
Disponível em: <http://produtomercadolivre.com.br/mlb-136257487/leonelbrizola-foto-santinho-de-campanha-ppresidente>. Acesso em: 21 set. 2010.

QUESTÃO 08

O slogan de Getúlio Vargas é escrito no tempo verbal futuro. Tendo em vista os interesses do candidato, que efeito de sentido esse uso ajuda a produzir?

(A) Refutação de opiniões contrárias às do candidato.
(B) Limitação das propostas políticas da oposição.
(C) Garantia de cumprimento das promessas.
(D) Resgate da autoestima do povo.
(E) Estabelecimento de uma situação de paz.

QUESTÃO 09

Considerando-se a temática do cartaz (Texto 4) e o período histórico a que ele se refere, conclui-se que a plataforma política da Aliança Liberal encabeçada por Getúlio Vargas está alicerçada

(A) na luta a favor da expansão nacional, expressa pela aliança com países imperialistas.
(B) no projeto de governo populista, caracterizado pela regulação dos agentes sociais.
(C) no fortalecimento da paz, baseado em estratégias de conciliação entre as oligarquias.
(D) na igualdade de direitos, traduzida pela legalização do voto feminino.
(E) no ideal de liberdade, revelado na proposta de lisura eleitoral.

QUESTÃO 10

Os cartazes resultam de diferentes concepções artísticas. Quanto à composição visual, essa diferença é explicitada, no Texto 5, pela

(A) troca intencional das formas retilíneas pelas formas curvilíneas.
(B) proporcionalidade regular entre os planos de figura e de fundo.
(C) predominância da linguagem verbal sobre os elementos iconográficos.
(D) substituição da imagem simbólica pela personalização da imagem.
(E) ausência de desenhos geométricos como elementos auxiliares à arte-final.


LITERATURA BRASILEIRA

QUESTÃO 11

Leonardo Pataca, personagem do romance Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida, migra voluntariamente de Portugal para o Brasil, fato comum na primeira metade do século XVIII. As consequências desse movimento migratório, no início da estada dessa personagem no novo país, refletem-se na relação entre nação e população, pois Pataca

(A) torna-se meirinho por meio de apadrinhamento.
(B) destaca-se no trabalho pela rabugice excessiva.
(C) sofre com a opinião pública pelo caso com a cigana.
(D) envolve a vizinhança na punição à traição de Maria.
(E) tenta conservar os costumes portugueses no Brasil.

QUESTÃO 12

No plano representativo dos ideais românticos, comuns em I-Juca Pirama, de Gonçalves Dias, e O demônio familiar, de José de Alencar, respectivamente, o prisioneiro Tupi e o protagonista Eduardo são

(A) personalidades típicas da visão política crítica de princípio idealista.
(B) sujeitos exemplares da expressão de individualidade própria do subjetivismo.
(C) indivíduos subjugados à mentalidade nacionalista que surgia no Brasil.
(D) tipos sociais frágeis e que se deixam levar pelo sentimentalismo.
(E) personagens determinadas e que voltam suas ações à sublimação das coisas.

QUESTÃO 13

Em O demônio familiar, a personagem Pedro, por ter sido alforriada, teve sua condição social aparentemente mudada. Entretanto, no contexto brasileiro ao qual a obra de
Alencar se refere, o discurso ideológico subjacente diz respeito à figura do negro

(A) malicioso e trapaceiro que perturbou a paz de uma família.
(B) mentiroso e egoísta que almejava alcançar seu grande sonho.
(C) maroto e astuto que permaneceu na cultura escravocrata brasileira.
(D) doméstico e amigo que fez tudo pela felicidade de seu senhor.
(E) ardiloso e fofoqueiro que fez travessuras visando ao seu próprio benefício.

QUESTÃO 14

O messianismo é um fenômeno da religiosidade popular, que surgiu em áreas rurais do Brasil Colonial em decorrência da reação à miséria e às necessidades espirituais do sertanejo. A romaria é uma das manifestações desse fato histórico-religioso. O conto Milagre em Juazeiro, da obra Livro dos homens, de Ronaldo Correia de Brito, narra uma romaria ao santuário de Padre Cícero. Tendo em vista as informações históricas e o conto em questão, constata-se que

(A) o enredo fragmentado atualiza o messianismo, que é cultuado em uma figura religiosa, para retratar a busca de identidade de uma das personagens.
(B) o desfecho da história é uma estratégia da narrativa, que se focaliza em terceira pessoa, para reiterar a complexidade dos aspectos religiosos.
(C) a sobreposição de tempos é um recurso narrativo, que evidencia a história de uma das personagens, para expor problemas vividos no passado.
(D) as personagens secundárias constituem uma paisagem humana, as quais seguem em romaria para reforçar no enredo o significado do messianismo.
(E) as duas personagens principais representam romeiros que buscam explicação na fé para os problemas de ordem existencial, religiosa e social.

QUESTÃO 15 - Leia o poema a seguir.

non-sons

o boi berra
a cabra bale
a rã coaxa
o meu telefone
― ai de mim! ―
nenhum
pio

PEREIRA, Luís Araujo. Minigrafias. Goiânia: Cânone, 2009. p. 33.

Nesse poema, o eu poético

(A) descreve a comunicação pelo isolamento da linguagem humana e pela voz dos bichos.
(B) apresenta uma sociedade de afastamento pela linguagem dos bichos e pelo chiste no título.
(C) representa a solidão das pessoas e dos bichos ao associar o telefone à falta de comunicação.
(D) configura a equivalência entre animais e objeto pela voz dos bichos e pelo som do telefone.
(E) tematiza a falta de comunicação e a solidão humanas ao descrever a voz dos bichos.

QUESTÃO 16

O fator que destaca as personagens do romance Mãos de Cavalo,de Daniel Galera, como contemporâneas é a

(A) certeza quanto ao curso do destino.
(B) proximidade com a realidade da época retratada.
(C) ausência de caracterizações físicas.
(D) consciência de seu papel no mundo.
(E) acentuação das sensações em relação à reflexão.

QUESTÃO 17 - Leia o seguinte fragmento de I-Juca Pirama, de Gonçalves Dias.

II
Em fundos vasos d'alvacenta argila
Ferve o cauim;
Enchem-se as copas, o prazer começa,
Reina o festim.
O prisioneiro, cuja morte anseiam,
Sentado está,
O prisioneiro, que outro sol no ocaso
Jamais verá!
A dura corda, que lhe enlaça o colo,
Mostra-lhe o fim
Da vida escura, que será mais breve
Do que o festim!
Contudo os olhos d'ignóbil pranto
Secos estão;
Mudos os lábios não descerram queixas
Do coração.
Mas um martírio, que encobrir não pode,
Em rugas faz
A mentirosa placidez do rosto
Na fronte audaz!

DIAS, Gonçalves. I-Juca Pirama. In: I-Juca Pirama seguido de Os Timbiras. Porto Alegre: L&PM Pocket, 1997. p. 13.

Durante o Romantismo, foram simultaneamente escritos poemas com características líricas e épicas. Nessa perspectiva, o fragmento de I-Juca Pirama constitui uma mistura
de gêneros por

(A) descrever o ambiente de sacrifício e as características físicas do prisioneiro.
(B) contar o que se passa no coração dos Timbiras e no coração do prisioneiro.
(C) apresentar a preparação do sacrifício do prisioneiro e o seu estado de espírito.
(D) mostrar a vontade dos Timbiras em matar seu prisioneiro, descrevendo as suas condições físicas.
(E) evitar descrever o estado de ânimo dos Timbiras e se abster de apresentar o do prisioneiro.

QUESTÃO 18

Tanto Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida, quanto Mãos de Cavalo, de Daniel Galera, são romances. O primeiro é calcado em base tradicional e o segundo é de tendência contemporânea. Esse contraste formal entre as duas narrativas é evidenciado na

(A) extensão do tempo.
(B) onisciência do narrador.
(C) edificação dos protagonistas.
(D) estruturação do enredo.
(E) associação de espaço e personagem.

QUESTÃO 19

As características a seguir se referem à obra Minigrafias, de Luís Araujo Pereira. Dentre elas, a que está presente em toda a obra é

(A) a composição variada da página, que confere aspecto verbivocovisual aos poemas.
(B) a linguagem metapoética dos textos, que reflete a espontaneidade do fazer artístico.
(C) a sonoridade lúdica dos poemas, que implica na condensação dos versos.
(D) o teor humorístico dos versos, que proporciona um caráter jocoso ao cotidiano.
(E) o intertexto pictórico dos poemas, que os relaciona à linguagem publicitária.

Para responder à questão de número 20, leia o seguinte fragmento de I-Juca Pirama, de Gonçalves Dias, e o poema verão, de Luís Araujo Pereira.

I
No meio das tabas de amenos verdores,
Cercado de troncos – cobertos de flores,
Alteiam-se os tetos d'altiva nação;
São muitos seus filhos, nos ânimos fortes,
Temíveis na guerra, que em densas coortes
Assombram das matas a imensa extensão.
São rudos, severos, sedentos de glória,
Já prélios incitam, já cantam vitória,
Já meigos atendem à voz do cantor:
São todos Timbiras, guerreiros valentes!
Seu nome lá voa na boca das gentes,
Condão de prodígios, de glória e terror!
As tribos vizinhas, sem forças, sem brio,
As armas quebrando, lançando-as ao rio,
O incenso aspiraram dos seus maracás:
Medrosos das guerras que os fortes acendem,
Custosos tributos ignavos lá rendem,
Aos duros guerreiros sujeitos na paz.
No centro da taba se estende um terreiro,
Onde ora se aduna o concílio guerreiro
Da tribo senhora, das tribos servis:
Os velhos sentados praticam d'outrora,
E os moços inquietos, que a festa enamora,
Derramam-se em torno dum índio infeliz.

DIAS, Gonçalves. I-Juca Pirama. In: I-Juca Pirama seguido de Os Timbiras. Porto Alegre: L&PM Pocket, 1997. p. 11.

verão

águas
que se movem
como pêndulos
cegos
ninguém no píer
na quase-ilha
península
la presqu'île
Sol a pino
mar
que molda rochedos
e despeja
sargaços na praia
e
deixa em todos os portos
um pouco
dos meus degredos

PEREIRA, Luís Araujo. Minigrafias. Goiânia: Cânone, 2009. p. 39.

QUESTÃO 20

Ao contrário do fragmento de I-Juca Pirama, constatam-se no poema verão:

(A) ausência de recursos gramaticais de pontuação gráfica, emprego de linguagem coloquial e versos minimalistas.
(B) imagens de apresentação do ambiente, relação de causa e consequência ao longo da descrição e versificação concisa.
(C) ausência de rima entre os versos, descrição do espaço sem povoamento e apresentação coesa do ambiente.
(D) versos breves, economia de adjetivação na descrição e interioridade do eu poético afetada pela apresentação do ambiente.
(E) versos como partículas de frases, variação de terceira à primeira pessoa do singular e distanciamento do eu poético.

www.veredasdalingua.blogspot.com.br

Leia também:

PUC– SP – 2011 – 2º Semestre – Prova de Língua Portuguesa e Literatura
Fatec 2006 – 1º Semestre – Prova de Língua Portuguesa
Fatec 2007 – 1º Semestre – Prova de Língua Portuguesa
FUVEST 2009 – 1ª Fase – Prova de Língua Portuguesa

Nenhum comentário:

Postar um comentário