Seguidores

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS I - DERIVAÇÃO

Os dois principais processos de formação de palavras da língua portuguesa são a derivação e a composição. Existem outros que também serão tratados em um próximo post. Convém lembrar que o Novo Acordo Ortográfico alterou muito mais os processos de derivação do que os de composição, assunto que em seu tempo será também tratado aqui no blog.

DERIVAÇÃO

Formam-se palavras alterando-se outra palavra existente na língua, basicamente pelo acréscimo de afixos, ou seja, prefixos e sufixos à palavra primitiva.

Derivação prefixal ou prefixação – acrescenta-se um prefixo à palavra primitiva ou ao radical.

Ex.: leal – desleal; fazer – refazer.


Observe que, na tirinha acima, a palavra triângulo foi formada através da derivação prefixal: tri + ângulo.

Derivação sufixal ou sufixação – acrescenta-se um sufixo à palavra primitiva, ao radical ou mesmo a uma palavra já derivada.

Ex.: casa – casebre; sapato – sapateiro.


A palavra competitivo, da tirinha acima, foi formada por derivação sufixal.

Perceba o aluno que essa derivação pode gerar substantivos, adjetivos, verbos ou advérbios. Desse modo, o sufixo pode ser classificado em:

a. Nominal - Gera substantivos e adjetivos.

Ex. folha – folhagem; calor – caloroso;

b. Verbal - Gera verbos.

Ex. gota – gotejar; dedo – dedilhar.

c. Adverbial - Gera advérbios.

Ex. rápido – rapidamente; astuto – astutamente.

Derivação prefixal e sufixal – Um prefixo e um sufixo são acrescentados de forma não simultânea à palavra primitiva ou ao radical.

Ex.: leal – deslealdade; feliz – infelizmente.

Derivação parassintética ou parassíntese – Um prefixo e um sufixo são acrescentados simultaneamente à palavra primitiva ou ao radical.

Ex.: ferro – enferrujar; manhã – amanhecer.

A diferença básica da derivação parassintética para a derivação prefixal e sufixal se refere à simultaneidade dos afixos. Na parassintética, caso seja retirado algum afixo, a palavra resultante não existirá na língua portuguesa; já na derivação prefixal e sufixal, caso seja retirado um dos afixos, haverá em uma palavra existente em nossa língua.

Derivação regressiva – Ocorre através da redução de elementos da palavra primitiva.

Ex.: cantar – canto; pular – pulo.

Derivação imprópria – Ocorre a mudança de classe gramatical da palavra, sem alterar sua forma primitiva.


Ex. Estou ouvindo o cantar dos pássaros.

Observe que a palavra cantar é originariamente um verbo, porém está sendo usada na tirinha como um substantivo, ou seja, ocorreu mudança em sua classe gramatical.

www.veredasdalingua.blogspot.com.br
Exercícios

1- Forme palavras através da prefixação.

Arrumar =
Ruga =
Círculo =
Delicado =
Ângulo =
Saia =
Fiel =
Feliz =
Pôr =
Correr =
Ligar =
Certeza =

2 - Forme palavras através da sufixação.

Casa=
Chuva=
Espaço =
Folga =
Preguiça =
Monstro =
Ferro =
Ânsia =
Camisa =
Religião =
Ânimo =
Calma =
Jornal =
Vidro =
Início =
Telha =

3 - Forme palavras através da derivação prefixal e sufixal.

Igual =
Feliz =
Flor =
Leal =
Controle =
Respeito =
Tratar =
Preparar =

4 - Forme palavras através da parassíntese.

Tarde =
Ferro =
Alma =
Vermelho =
Manhã =
Funil =
Noite =
Paz =
Cabeça =
Gaiola =
Perna =
Perfeição =

5 - Forme palavras através da derivação regressiva.

Cantar =
Dançar =
Errar =
Cortar =
Debater =
Acertar =
Pular =
Recuar =

6 - Identifique as classes gramaticais dos termos abaixo alterados por derivação imprópria:


a. Não sei o porquê da sua falta.

b. O sertanejo é antes de tudo um  forte.

c. Não quero escutar um ai.

d. O saber é adquirido através de muito estudo.

e. Seu não me deixou muito abalado.


Leia também:

2 comentários:

  1. Prezado Maurício, obrigadíssima pela constância da visita ao meu espaço e pelo comentário que lá deixou. Fiquei muito surpresa, porque não contava com isso que você diz, os leitores silenciosos. Também os elogios que fez, eu fiquei de fato feliz e lisonjeada.

    Olha, eu também sou professora de Português e Literatura, trabalho no Colégio Pedro II, mas o meu fraco é a gramática. Costumo brincar e dizer que até hoje não sei como entrei na prestigiosa instituição sabendo gramática para o gasto, sem conseguir guardar muito as regras. Sinto falta de um espaço como o seu, dedicado a questões da língua, e vou passar a acompanhar (não gosto muito do termo seguidor, tem qualquer coisa de messiânico...). Enfim, obrigada e parabéns pelo blog.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Cara Mariana,

    Obrigado pelas palavras. A sua visita me enche de satisfação e alegria. Tenho tentado aliar as difíceis questões gramaticais com termos mais próximos do uso cotidiano. Vivo tão ligado ao ato de ensinar que creio que fui picado para sempre – sem cura! -) Ainda bem, porque fazer algo do qual se gosta tanto é motivo de muito orgulho. E é muito bom saber que há sempre um mar (imenso!) à vista da ilha, bem pertinho, onde sei que certamente fugirei dos lugares-comuns e das superficialidades predominantes em tantas áreas.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir