Seguidores

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Tema de Redação – FAAP – 2012 – 2º semestre - Vagas remanescentes

Tema de Redação – FAAP – 2012 – 2º semestre - Vagas remanescentes

Processo seletivo para vagas remanescentes

REDAÇÃO

Leia atentamente a coletânea de textos abaixo:

                Os projetos de lei conhecidos como SOPA e PIPA ‐ siglas de “Stop Online Piracy Act” e “Protect Intellectual Property Act” ‐ surgiram de um esforço das indústrias fonográfica e de cinema americanas para retomar as vendas que perdem com o compartilhamento gratuito de seus produtos na internet. Bloqueando e punindo os piratas, as companhias imaginam poder ressurgir das cinzas com a venda de conteúdo on‐line.
                (...)
                As leis de combate à pirataria pretendem bloquear o acesso a sites que comercializam conteúdo pirata como música, filmes e livros além de impedir empresas de pagamento de transferir dinheiro para seus donos além de suspender imediatamente publicidade relacionadas a eles. Motores de busca seriam solicitados a apagar links para tais sites dos resultados e provedores seriam obrigados e interromper o acesso ‐ especialmente os estrangeiros.
                Twitter e Facebook, por exemplo, poderiam ser punidos por permitir que usários publiquem conteúdo "proibido" nas redes sociais. Google poderia ser acusada de manter anúncios publicitários e links para sites piratas nos seus serviços de internet.
                Para proteger a propriedade intelectual na web, a nova legislação pretende dar ao governo dos EUA maiores de poderes para punir donos de "sites dedicados à pirataria ou produtos falsificados".
                Se aprovada da forma como foram redigidas, as normas irão obrigar os sites a acharem um meio técnico de impedir a distribuição do conteúdo sob pena de fechamento ou até cinco anos de prisão para os organizadores do portal ou rede social.
                Sem fazer distinção, qualquer site conectado via hiperlink com outro site apontado como pirata pode, a pedido do governo ou de empresas donas do conteúdo como gravadoras, editoras e estúdios de filmes ser banido da internet.
                Produtores de conteúdo e estúdios de cinemas como Disney, Universal, Paramount e Warner Bros. e outros gigantes apoiam a iniciativa. Google, Amazon, Facebook, eBay, Twitter, PayPal, Zynga, Mozilla, entre outras gigante de internet, escreveram cartas ao Congresso e fizeram manifestações on‐line.

[Entenda o que são os projetos de lei antipirataria SOPA e PIPA. http://oglobo.globo.com/tecnologia/entenda‐que‐sao‐os‐projetos‐de‐lei‐antipirataria‐sopa‐pipa‐3701327. Acesso em 18/1/2012]

                A internet é nossa grande praça pública, aquele lugar das sociedades contemporâneas que não existe mais nas cidades nem nas ruas — mas no computador. (...) O esforço para criar controles oficiais na internet é tipico de ditaduras. O esforço para transformá‐la num espaço da iniciativa privada também. Num caso, sacrifica‐se a liberdade em nome de uma ideologia. No outro, sacrifica‐se a liberdade me nome da propriedade. Quem perde é a humanidade. (...) Não sou um fanático do individualismo contemporâneo. Mas vivemos num tempo de autonomia para os indivíduos, que têm espaço para seu pensamento, sua existência, suas escolhas fundamentais e secundárias, sua capacidade de reagir.

[Paulo Moreira Leite. ‘A turma do SOPA não entendeu nada’.
http://colunas.revistaepoca.globo.com/paulomoreiraleite/2012/01/21/a‐turma‐do‐sopa‐nao‐entendeu‐nada/. Acesso em 18/1/2012. Com adaptações]

                A produção de conteúdos informativos, artísticos ou de entretenimento demanda trabalho e investimentos. Não dá frutos, como os da natureza, que se podem colher graciosamente. Inviabilizar autores e organizações que se dedicam à criação desses produtos não é um ato libertador, mas uma outra forma de obscurantismo.

[Editorial. ‘Direitos na rede’. Folha de São Paulo, 20/1/2012]

Proposição:


          O mundo virtual está em polvorosa com os esforços políticos internacionais para a aprovação de leis rigorosas contra a pirataria online. Recentemente, projetos de lei polêmicos como o SOPA e o PIPA foram estratégica e temporariamente arquivados pelo Congresso americano. Apesar de fortes protestos, persiste outro projeto de mesma natureza – o Acta (sigla em inglês para Acordo Comercial Antipirataria) ‐ em busca da assinatura do governo de vários países. De um lado, a proteção dos direitos de propriedade intelectual e dos interesses comerciais dos produtores de música, filmes, artigos de moda e uma variedade de outros produtos alvos de pirataria, sobretudo on‐line. De outro, a defesa da liberdade de expressão contra leis que ameaçam o espaço democrático criado pela internet em vinte anos. 

         Considerando a polêmica apresentada e, se achar conveniente, os textos da coletânea acima, bem como os textos que serviram de base para as questões da prova, escreva uma redação de gênero dissertativo, em prosa, obediente à norma culta da Língua Portuguesa, sobre o tema:

Lei Antipirataria Online: Uma Questão de Justiça ou um Risco à Liberdade?

Instruções:

1. Adote um posicionamento claro sobre a questão expressa como tema.
2. Exponha com clareza os argumentos que apoiam o seu posicionamento.
3. Utilize uma focalização mais objetiva, optando pela terceira pessoa ou a primeira pessoa do plural.
4. Empregue somente a modalidade escrita culta da língua portuguesa.
5. NÃO COPIE trechos da coletânea de textos. Utilize‐a de forma crítica, construindo seu próprio discurso a partir das reflexões que ela estimula.
6. Escreva somente a tinta azul ou preta.
7. Dê um título à sua redação.


Leia também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário