Seguidores

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Texto - "Quinze anos" - Carlos Heitor Cony

                                                 Quinze anos

Foi no último ano. Havíamos acabado as festas e tu te demoraste no Rio. Faltaste nos primeiros dias de aula. A turma havia se reunido, pensando já nas festas de fim de ano. Foi eleita uma comissão para providenciar o programa e, embora ausente, foste eleita presidente. Presidente da comissão de festas. Era o título. O primeiro que tiveste – creio eu. 
Eu não ganhei nada. Apesar de minha condição de melhor aluno – afinal, todos sabiam que eu dava duro numa loja de eletricidade e que estudava até altas horas – não me quiseram pra nada. A cota do baile ia ser dividida igualmente entre os 27 alunos da turma. Mas alguém ponderou que eu não poderia ir ao baile – o que era uma verdade.
- Dividamos as cotas por 26. O Henrique não entra nisso.
           E não entrei mesmo. Mas um dia chegaste. E tão logo soubeste que me haviam riscado das festas, fizeste valer a tua condição de presidente:
- Henrique também entra.
E sem quereres ser má, jogaste-me na cara a ofensa:
- Se ele não puder pagar, eu pago.
Então o meu orgulho colocou em minha mão o grito que a garganta não teve coragem de dar. Fui para um canto, a fim de evitar que viesses falar comigo. E fiquei por ali, chutando pedras, de mãos nos bolsos, até que ouvi tua voz:
- Desculpa, Henrique, não quis te magoar...
E quando me virei e olhei teus olhos, descobri que estava marcado. Eu era uma vítima, agora, do amor que nunca mais pude deixar de te dedicar.”

(Carlos Heitor Cony, in “Uma história de amor”)

www.veredasdalingua.blogspot.com.br

Leia também:

Miguel Torga - Poemas
O Substantivo
Olavo Bilac - O Príncipe dos Poetas Brasileiros

www.veredasdalingua.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário