Seguidores

sábado, 31 de outubro de 2015

Prova de Língua Portuguesa – FEI – 2010 – 2º semestre

Prova de Língua Portuguesa – FEI – 2010 – 2º semestre



Estranhas gentilezas (Ivan Ângelo)

            Estão acontecendo coisas estranhas. Sabe-se que as pessoas nas grandes cidades não têm o hábito da gentileza. Não é por ruindade, é falta de tempo. Gastam a paciência nos ônibus, no trânsito, nas filas, nos mercados, nas salas de espera, nos embates familiares, e depois economizam com a gente.
            Comigo dá-se o contrário, é o que estou notando de uns dias para cá. Tratam-me com inquietante delicadeza. Já captava aqui e ali sinais suspeitos, imprecisos, ventinho de asas de borboleta, quase nada. A impressão de que há algo estranho tomou corpo mesmo foi na semana passada. Um vizinho que já fora meu amigo telefonou-me desfazendo o engano que nos afastava, intriga de pessoa que nem conheço e que afinal resolvera esclarecer tudo. Difícil reconstruir a amizade, mas a inimizade morria ali.
            Como disse, eu vinha desconfiando tenuemente de algumas amabilidades. O episódio do vizinho fez surgir em meu espírito a hipótese de uma trama, que já mobilizava até pessoas distantes. E as próximas?
            Tenho reparado. As próximas telefonam amáveis, sem motivo. Durante o telefonema fico aguardando o assunto que estaria embrulhado nos enfeites da conversa, e ele não sai. Um número inesperado de pessoas me cumprimenta na rua, com acenos de cabeça. Mulheres, antes esquivas, sorriem transitáveis nas ruas dos Jardins. Num restaurante caro da Rua Amauri, o maître, com uma piscadela, fura a demorada fila de executivos à espera e me arruma rapidinho uma mesa para dois. Um homem de pasta que parecia impaciente à minha frente me cede o último lugar no elevador. O jornaleiro larga sua banca na Avenida Sumaré e vem ao prédio avisar-me que o jornal chegou. Os vizinhos de cima silenciam após as 10 da noite.
            Caminhões baixam a luz dos faróis quando cruzam comigo na Via Anhanguera. Motoristas, mesmo mulheres, cedem-me a preferência nas esquinas. Vendedores de bugigangas nos faróis de trânsito passam direto pelo meu carro, sem me olhar. Até crianças me cumprimentam cúmplices: oi, tio.
            Que está acontecendo? Quem e por que está querendo me convencer de que as pessoas são um doce? Penso: não são gentilezas, são homenagens aos meus cabelos brancos, por eu ter aguentado tanto, como se fosse um atleta de maratona, daqueles retardatários que são mais aplaudidos na chegada que os vencedores.
            A última manobra: botaram um pintassilgo a cantar para mim na árvore em frente à janela do meu apartamento de 2º andar.
            Que significa isso? Que querem comigo? Que complô é esse? Que vão pedir em troca de tanta gentileza?
            Aguardo, meio apreensivo, meio feliz.
         Interrompo a crônica nesse ponto, saio para ir ao banco, desço pelas escadas porque alguém segura o elevador lá em cima, o segurança do banco faz-me esvaziar os bolsos antes de entrar pela porta giratória, enfrento a fila do caixa, não aceitam cheques de outra pessoa para pagar contas, saio xingando do banco, atravesso a avenida arriscando a vida entre bólidos, um caminhão respinga-me a água suja de uma poça, entro no apartamento, sento-me ao computador e ponho-me de novo a sonhar.

1ª Questão. Em “Estão acontecendo coisas estranhas” (linha 01), há:

(A) sujeito simples (coisas estranhas)
(B) sujeito indeterminado
(C) sujeito implícito
(D) sujeito inexistente
(E) sujeito composto (coisas e estranhas)

2ª Questão. A leitura atenta do texto permite afirmar que:

(A) há predominância de períodos longos, caracterizando uma linguagem rebuscada e de difícil interpretação.
(B) o fraseado complexo do texto oferece poucos recursos para que o leitor interprete o texto.
(C) os longos parágrafos são uma estratégia do autor para que o leitor preste atenção aos significados textuais.
(D) o texto não apresenta a variante linguística culta.
(E) há predominância de períodos curtos, caracterizando uma linguagem ágil e de interpretação direta.

3ª Questão. Observe as frases:

a) “Eles falam muito.”
b) “O professor não falou uma só palavra ao aluno.”
c) “O candidato fala inglês.”
Sobre os usos do verbo falar, é possível afirmar:

I. Dependendo do contexto em que ocorre, pode se apresentar como transitivo direto, bitransitivo ou intransitivo.
II. Independente do contexto, será sempre um verbo intransitivo.
III. Em nenhum contexto precisa de complementos verbais.

(A) Todas as afirmativas estão corretas.
(B) Apenas a afirmativa I está correta.
(C) Apenas a afirmativa II está correta.
(D) Apenas a afirmativa III está correta.
(E) Apenas as afirmativas I e III estão corretas.

4ª Questão. A ocorrência dos verbos ao longo do texto se dá prioritariamente em que modo verbal?

(A) subjuntivo (B) imperativo (C) particípio (D) indicativo (E) gerúndio

5ª Questão. Sobre o narrador do texto, é possível afirmar:

(A) Trata-se de um jovem bastante crítico para a sua idade.
(B) Trata-se de um homem de mais idade, que pensa sobre o comportamento das pessoas nas grandes cidades.
(C) Trata-se de uma mulher de mais idade, que não se conforma com o comportamento dos jovens da atualidade.
(D) Trata-se de um jornalista que está colhendo dados para a crônica que publica semanalmente em jornal de grande circulação.
(E) Trata-se de um homem de mais idade, que não pratica gentilezas com o próximo, porque não as recebe.

6ª Questão. A frase “Sabe-se que as pessoas nas grandes cidades não têm o hábito da gentileza” (linhas 01-02) pressupõe que:

(A) existem pessoas de apenas um tipo, o das cidades grandes.
(B) o comportamento das pessoas que vivem nas grandes cidades é semelhante ao dos que vivem fora delas.
(C) o comportamento das pessoas se altera de acordo com o contexto em que vivem.
(D) o comportamento das pessoas não se altera e é sempre constante.
(E) o comportamento das pessoas se altera constantemente sem motivo aparente.

7ª Questão. Trata-se de um texto prioritariamente:

(A) descritivo. (B) dissertativo. (C) opinativo. (D) narrativo. (E) lírico.

8ª Questão. A observação atenta sobre os aspectos estéticos e temáticos de “Estranhas gentilezas” permite afirmar que se trata de um texto:

(A) contemporâneo. (B) romântico. (C) realista. (D) barroco. (E) árcade.

9ª Questão. Sobre a crônica, gênero em que se apresenta o texto “Estranhas gentilezas”, de Ivan Ângelo, é possível afirmar que:

I. Como sugere a origem da palavra (“Cronos” é o deus grego do tempo), trata de temas do cotidiano.
II. Não precisa estar comprometida com a verdade, como a notícia deve estar.
III. Surge nos periódicos, sendo publicada em diversos jornais.
IV. Está ultrapassada e não é mais publicada em jornais de grande circulação.

(A) Todas as afirmativas estão corretas.
(B) Apenas as afirmativas I e III estão corretas.
(C) Apenas as afirmativas II e IV estão corretas.
(D) Apenas as afirmativas I, II e III estão corretas.
(E) Apenas as afirmativas III e IV estão corretas.

10ª Questão. Ivan Ângelo é do mesmo período literário que:

(A) Machado de Assis (B) Gil Vicente (C) Castro Alves (D) José de Alencar (E) Ferreira Gullar


11ª Questão. Respeitando a construção de sentidos do texto, a observação do cronista em “Tratam-me com inquietante delicadeza” (linhas 05-06) deve-se ao fato de que:

(A) a gentileza se espalha com rapidez entre a população das grandes cidades e isso o incomoda.
(B) a gentileza que lhe é dispensada o inquieta, porque as pessoas parecem estar interessadas na influência que ele tem sobre a opinião pública.
(C) a gentileza que lhe é dispensada causa surpresa porque contraria o comportamento geral das pessoas das grandes cidades.
(D) qualquer ato generoso é mal interpretado socialmente.
(E) há uma trama contra o cronista, que cresce visivelmente, ameaçando sua integridade física e moral.

12ª Questão. Em “Caminhões baixam a luz dos faróis quando cruzam comigo na Via Anhanguera” (linha 23), a conjunção em destaque imprime à frase sentido de:

(A) lugar. (B) oposição. (C) consequência. (D) causa. (E) tempo.

13ª Questão. Sobre o foco narrativo, o ângulo a partir do qual a história é narrada corresponde à:

(A) terceira pessoa do plural.
(B) primeira pessoa do singular.
(C) terceira pessoa do singular.
(D) primeira pessoa do plural.
(E) segunda pessoa do singular.

14ª Questão. Em “Como disse, eu vinha desconfiando tenuemente de algumas amabilidades” (linha 11), o termo em destaque poderia ser substituído sem alterar o sentido da frase por:

(A) declaradamente. (B) ingenuamente. (C) francamente.(D) tranquilamente. (E) ligeiramente.

15ª Questão. A justificativa para a ocorrência de “z” em “gentilezas” é a mesma de:

(A) beleza. (B) gozado. (C) cozinha. (D) azedo. (E) sozinho.

16ª Questão. O desenvolvimento do texto apresenta clara oposição entre duas realidades distintas, explicitadas na composição do último parágrafo, e que podem ser assim sintetizadas:

(A) de início, há a realidade factual; ao final, há o devaneio do cronista.
(B) de início, há o devaneio do cronista, o qual gradativamente vai se concretizando em sua vida diária.
(C) repentinamente, o devaneio do cronista se interrompe e ele enfrenta as tensas relações sociais.
(D) gradativamente, o cronista toma consciência das relações sociais tensas que permeiam a vida nas cidades grandes.
(E) repentinamente, as relações sociais tensas se transformam em um universo pontuado pela solidariedade e gentileza.

17ª Questão. Em “são homenagens aos meus cabelos brancos” (linhas 28-29), verifica-se a construção de uma metonímia (do grego, metonymía, “emprego de um nome por outro”), figura de linguagem baseada na proximidade de ideias entre palavras que apresentam algum tipo de relação. No caso da frase citada, tal relação ocorre porque:

(A) a causa é entendida pelo efeito.
(B) o efeito é a causa.
(C) o continente é entendido pelo seu conteúdo.
(D) o autor é entendido por sua obra.
(E) o símbolo é entendido pela coisa simbolizada.

18ª Questão. Em “Os vizinhos de cima silenciam após as 10 da noite” (linhas 21- 22), o termo em destaque é:

(A) complemento nominal (B) locução adverbial                      (C) complemento verbal
(D) sujeito                          (E) oração subordinada adverbial

19ª Questão. Em “Difícil reconstruir a amizade, mas a inimizade morria ali” (linhas 10-11), o conectivo estabelece relação de:

(A) adição de ideias.          (B) explicação.                  (C) oposição de ideias. 
(D) proporção de ideias.    (E) complementaridade.

20ª Questão. O ditado popular que melhor dialoga com a primeira parte do texto é:

(A) Cuidado, que o santo é de barro.
(B) Antes tarde do que nunca.
(C) A pensar morreu um burro.
(D) Quando o milagre é demais, o santo desconfia.
(E) A união faz a força.

Nenhum comentário:

Postar um comentário