Seguidores

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Mackenzie 2012 - 2º Semestre – Prova de Língua Portuguesa

Universidade Mackenzie – Vestibular - 2012 - 2º Semestre – Prova de Língua Portuguesa


Textos para as questões de 01 a 05

Texto I

            Temos uma notícia triste: o coração não é o órgão do amor! Ao contrário do que dizem, não é ali que moram os sentimentos. Puxa, para que ele serve, afinal? Calma, não jogue o coração para escanteio, ele é superimportante. “É um órgão vital. É dele a função de bombear sangue para todas as células do nosso corpo”, explica Sérgio Jardim, cardiologista do Hospital do Coração. Ele é um músculo oco, por onde passa o sangue, e tem dois sistemas de bombeamento independentes. Com essas “bombas”, ele recebe o sangue das veias e lança para as artérias. Para isso, contrai e relaxa, diminuindo e aumentando de tamanho. E o que tem a ver com o amor? “Ele realmente bate mais rápido quando uma pessoa está apaixonada. O corpo libera adrenalina, aumentando os batimentos cardíacos e a pressão arterial”.

O Estado de S.Paulo, 09/06/2012, caderno suplementar, p. 6

Texto II

            Para os egípcios, o coração era o centro do pensamento. Eles acreditavam que o órgão controlava as emoções e as funções nervosas e seria capaz de guardar as lembranças de coisas boas e ruins. Eles até pesavam o coração em uma balança! Se fosse leve, queria dizer que a pessoa era boa e teria um lugar junto aos deuses. Já os sacerdotes astecas arrancavam o coração do peito do inimigo vivo para oferecê-los aos deuses.

O Estado de S.Paulo, 09/06/2012, caderno suplementar, p. 6

Questão nº 01 - Assinale a alternativa correta sobre o Texto I.

a) Trata-se de texto narrativo, na medida em que apresenta personagens envolvidos em enredo que se encaminha para um clímax final.
b) O leitor depara-se com estrutura tipicamente descritiva, na qual se expõem características e peculiaridades do objeto tratado.
c) Em uma construção expositiva, o objetivo central do texto é transmitir informações a respeito do coração, em uma linguagem informal e não técnica.
d) Observa-se predomínio do jargão técnico na apresentação do assunto do texto, o que se evidencia ainda mais com a referência a opiniões de um especialista no assunto.
e) Partindo de uma tese central, o texto elabora argumentos de natureza hipotético-dedutiva para defender o ponto de vista do veículo que o divulga.

Questão nº 02 - Assinale a alternativa correta sobre o Texto II.

a) Expõe justificativas para conteúdos apresentados e defendidos no Texto I.
b) A pontuação de caráter subjetivo, como o ponto de exclamação, indicia que estamos diante de um texto expressivo, de posicionamento pessoal das sensações de seu autor.
c) Utiliza linguagem irônica que, o tempo todo, procura direcionar o leitor para a tese de que os antigos jamais alcançaram algum tipo de sabedoria.
d) Estabelece diálogo intertextual com o texto I, na medida em que apresenta outras informações sobre um tema em comum, vistos, no entanto, de perspectivas diferentes.
e) Como no texto I, são expostos posicionamentos de caráter científico em tudo coincidentes com visões contemporâneas sobre o funcionamento do corpo humano.

Questão nº 03 - Assinale a alternativa correta.

a) No texto I, os dois pontos (linha 01) introduzem uma sequência linguística que se relaciona com a anterior estabelecendo uma relação de oposição.
b) No texto I, a expressão puxa (linha 03) indicia a presença de um tom de informalidade, uma vez que tem valor de interjeição.
c) No texto I, a pergunta E o que tem a ver com o amor? (linhas 10 e 11) é na verdade retórica, prescindindo, assim, de uma resposta de fato, como se evidencia na sequência do texto.
d) No texto II, a partícula até (linha 04) denota a delimitação de um limite temporal relacionado à ideia central do fragmento.
e) No texto II, a expressão Se fosse leve (linha 04) relaciona-se com o fragmento que lhe é posterior, estabelecendo ideia de causalidade.

Questão nº 04 - Considere as seguintes afirmações sobre os textos:

I. Há índices da presença da função expressiva da linguagem e da função conativa, com destaque para o diálogo estabelecido com o leitor.
II. Linguagem figurada, comparações e uso de argumento de autoridade são alguns dos recursos utilizados na construção textual.
III. Os textos apresentam como objetivo principal persuadir o leitor para colaborar em uma campanha implicitamente sugerida.
Assinale:

a) se apenas as afirmações I e II estiverem corretas.
b) se apenas as afirmações I e III estiverem corretas.
c) se apenas as afirmações II e III estiverem corretas.
d) se as afirmações I, II e III estiverem corretas.
e) se as afirmações I, II e III estiverem incorretas.

Questão nº 05 - Da leitura dos textos infere-se corretamente que:

a) assim como os egípcios e os sacerdotes astecas pensavam, o coração funciona apenas para bombear sangue para outros órgãos do corpo humano, possibilitando a circulação de hormônios como a adrenalina.
b) o peso do coração deve-se ao fato de ele ser um músculo oco e muito leve que, na verdade, apresenta como funções vitais relacionar-se com o cérebro, na articulação do pensamento e da cognição humana.
c) é impossível provar com evidências que o coração relaciona-se com o estado emocional dos indivíduos, sendo sua função primordial o controle de um hormônio chamado de adrenalina.
d) a variação do tamanho do coração deve-se ao fato de que seu peso está relacionado à quantidade de adrenalina que o corpo humano produz, dependendo do estado emocional do indivíduo.
e) ao contrário da imagem poética e dos saberes antigos, a visão contemporânea sobre o coração está predominantemente vinculada a descobertas científicas sobre o funcionamento do corpo humano.

Textos para as questões de 06 a 08

Texto I

Mais claro e fino do que as finas pratas
o som da tua voz deliciava…
Na dolência velada das sonatas
como um perfume a tudo perfumava.

Era um som feito luz, eram volatas
em lânguida espiral que iluminava,
brancas sonoridades de cascatas…
Tanta harmonia melancolizava.

Cruz e Sousa

Observação – volatas: progressão de notas musicais / dolência: sofrimento

Texto II

Antes de tudo, a Música. Preza
Portanto o Ímpar. Só cabe usar
O que é mais vago e solúvel no ar,
Sem nada em si que pousa ou que pesa.

Verlaine (Trad. de Augusto de Campos)

Questão nº 06 - A leitura do texto I confirma que:

a) o eu lírico expressa sua particular percepção do som inebriante de uma orquestra de vozes harmoniosas, como prova o uso da expressão dolência velada das sonatas (v.3).
b) o poeta expressa subjetivamente a impressão que lhe causava o som da voz do interlocutor, conforme se pode compreender da leitura do verso 2.
c) o autor descreve com metáforas sombrias o cantar melancólico de sua musa, por isso afirma, no verso 8, que Tanta harmonia melancolizava.
d) o eu lírico tem uma visão idealizada da falecida amada; daí o uso do verbo no passado imperfeito (deliciava, perfumava etc.).
e) o autor narra o envolvimento amoroso que marcou sua vida – som da tua voz deliciava…(v.2) – e, ao mesmo tempo, lamenta, no verso 8, a perda da mulher amada.

Questão nº 07 -  A proposta estética expressa no texto II realiza-se em I por meio dos seguintes expedientes estilísticos, EXCETO:

a) recorrência de sons vocálicos e consonantais.
b) metáforas que sugerem volatilidade.
c) léxico requintado.
d) sinestesias.
e) rupturas sintáticas.

Questão nº 08 - Considerados os seus principais traços estilísticos, o texto I exemplifica:

a) uma tendência estética da primeira metade do século XIX que valoriza a assimetria da forma e a temática espiritualista.
b) aspectos importantes da arte parnasiana: o apuro formal preconizado pelo ideal da arte pela arte e a impassibilidade.
c) o modo pelo qual a literatura do final do século XIX reaproveita, de modo original, uma forma poética da tradição.
d) a estética clássico-renascentista, em que se destaca a regularidade métrica e a contenção emotiva.
e) preceitos estéticos que caracterizaram o Modernismo brasileiro, em especial a musicalidade e a valorização da percepção sensorial.

Texto para as questões de 09 a 11

            As crônicas da vila de Itaguaí dizem que em tempos remotos vivera ali um certo médico, o Dr. Simão Bacamarte, filho da nobreza da terra e o maior dos médicos do Brasil, de Portugal e das Espanhas. [...] Aos quarenta anos casou com D. Evarista da Costa e Mascarenhas, senhora de vinte e cinco anos, viúva de um juiz-de-fora, e não bonita nem simpática. Um dos tios dele, caçador de pacas perante o Eterno, e não menos franco, admirou-se de semelhante escolha e disse-lho. Simão Bacamarte explicou-lhe que D. Evarista reunia condições fisiológicas e anatômicas de primeira ordem, digeria com facilidade, dormia regularmente, tinha bom pulso, e excelente vista; estava assim
apta para dar-lhe filhos robustos, sãos e inteligentes. [...] D. Evarista mentiu às esperanças do Dr. Bacamarte, não lhe deu filhos robustos nem mofinos.

Machado de Assis, trecho inicial do conto “O alienista”

Observação –caçador de pacas perante o Eterno: alusão ao rei Nimrod, poderoso, arrogante e herege, famoso também por ser exímio caçador de javalis. A expressão, extraída do texto bíblico, tem conotações irônicas.

Questão nº 09 - Assinale a alternativa correta.

a) A referência às crônicas da vila de Itaguaí (linha 01), como documento de que se extraiu o relato, prova que o conto resultou de um fato verídico.
b) A informação de que D.Evarista não era bonita nem simpática (linhas 05 e 06) corrobora para a hipótese de que estava assim apta para dar-lhe filhos robustos, sãos e inteligentes (linhas 10 e 11).
c) A frase D. Evarista mentiu às esperanças do Dr.Bacamarte (linha 12) insinua que a mulher, embora sabendo de sua infertilidade, nada revelou ao marido.
d) A razão pela qual o médico intencionava casar-se era a possibilidade de procriar, já que avaliava positivamente o fato de a mulher reunir condições fisiológicas e anatômicas de primeira ordem (linhas 08 e 09).
e) O tio do Dr. Simão posicionou-se contra o casamento, exclusivamente pelo fato de D. Evarista não ter aqueles atributos femininos que tanto apreciava, ou seja, não ser bonita nem simpática (linhas 05 e 06).

Questão nº 10 - Com base no texto, considere as seguintes afirmações sobre Machado de Assis:

I. Embora pertença ao Realismo, produziu também, na juventude, obras naturalistas, como, por exemplo, “O alienista”, conto em que valoriza o cientificismo da época.
II. Posicionou-se criticamente com relação aos valores de seu tempo, questionando a supremacia da perspectiva científica vigente na segunda metade do século XIX.
III. A concepção irônica da vida já se revela no fragmento lido, na medida em que se frustra a confiança na avaliação científica do biótipo da mulher.
Assinale:

a) se as afirmações I, II e III estivem corretas.
b) se apenas as afirmações I e II estiverem corretas.
c) se apenas as afirmações II e III estiverem corretas.
d) se apenas as afirmações I e III estiverem corretas.
e) se as afirmações I, II e III estiverem incorretas.

Questão nº 11 - Assinale a alternativa INCORRETA.

a) Em disse-lho (linha 07) temos uma forma arcaica com o mesmo sentido de “disse a ele”.
b) A forma verbal vivera (linha 02) é prova de que o tempo do relato não coincide com o tempo da história.
c) A expressão não bonita nem simpática (linhas 05 e 06) pode ser lida como um eufemismo, assim como em “De fato, ele não gosta muito de trabalhar.”
d) A expressão em tempos remotos (linha 01) pode ser corretamente substituída por “há muito tempo”.
e) A palavra assim (linha 10), elemento de coesão, estabelece relação conclusiva entre as orações a que se refere.



Leia também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário