Seguidores

quarta-feira, 15 de maio de 2013

“Canção do exílio” – Gonçalves Dias

Canção do exílio

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves que aqui gorjeiam
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em  cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar – sozinho, à noite –
Mais prazer encontro eu lá;

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;

Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
 
(Gonçalves Dias, Coimbra, 1843)


Leia também:

“Chatear e encher” – Paulo Mendes Campos
Agostinho da Silva – O poeta-filósofo
“O gigolô das palavras” – Luis Fernando Verissimo

"Sobre a morte e o morrer" - Rubem Alves

Nenhum comentário:

Postar um comentário